Fique Ligado – Porquê/por quê: por que e quando leva acento circunflexo

Gustav Schmid 5 de maio de 2017
Fique ligado! Sem comentários

Agora que você já aprendeu quando a conjunção ‘porque’ e o pronome relativo ‘que’ precedido da preposição ‘por’ são ou não escritos lado a lado, vamos passar para o episódio seguinte desse tema: o uso do acento circunflexo em final de frase.

Mas por que deveríamos colocar acento circunflexo em uma conjunção ou em um pronome? Em primeiro lugar, ‘porquê’, escrito assim com acento circunflexo, é sinônimo de ‘motivo’, ‘razão’. Logo, é um substantivo, e não uma conjunção.

“O porquê de o time ter perdido aquele jogo fácil é algo que jamais saberemos.”

Assim, é simples entender quando devemos usar o acento circunflexo na palavra “porquê”: basta descobrir a sua classe gramatical.

Já o caso de preposição ‘por’ seguida de pronome relativo ‘que’ é um pouco mais complexo. Lembrando da coluna anterior, apesar de ser preciso saber diferenciar conjunção de pronome relativo seguido de preposição, um único detalhe define o uso do acento circunflexo: o fato de a palavra ‘que’ estar no final da frase.

“Ela jamais soube por quê.”

“Vocês não comeram tudo? Por quê?”

O acento circunflexo na palavra ‘que’ também é usado em outros casos:

  1. Substantivo masculino: “A aparência daquela rua sombria tinha um quê de mistério.”
  2. Interjeição: “Quê! isso é mentira!”
  3. Pronome em fim de frase: “Malhar pra quê?” “A TV anunciava não sei o quê.”

Mas, como sempre, você não deve simplesmente usar o acento em qualquer posição da frase sempre que acharmos adequado. Apesar de muitos redatores, professores e autores respeitáveis empregarem a palavra ‘que’ acentuada no meio da frase, é mais seguro usá-la assim apenas no final do período. Veja os casos comparados a seguir:

“Por que, amigo?” x “Amigo, por quê?”

“O que havia sido roubado?” x “Algo fora roubado, mas o quê?”

Portanto, sempre que estiver em dúvida sobre o uso do acento circunflexo na palavra ‘que’, memorize as lições acima, lembrando sempre da questão da classe gramatical e da posição da palavra na frase. Essas dicas o ajudaram muito a ter um desempenho superior em produção textual não somente no ENEM como ao longo de toda a vida.

Gustav Schmid

Autor

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *